quinta-feira, 17 de abril de 2014

Na Onda do Tsunami




A beira do abismo
O olho do furacão. Não, o centro do meio do núcleo do olho do furacão
A tempestade em copo d'água
A pista molhada, escorregadia
O preço a pagar
A iminência da loucura
O susto
O inesperado
O desespero
A contradição
A confusão
A louca vontade 
Eu gosto, não, eu gosto não, eu AMO a instabilidade, a loucura, o improviso.
Não quero dia comum, tudo igual, rotina...
Eu quero mais é que me jogue pro alto, me sacuda, me exploda, junte meus pedaços, costure minhas partes fora do lugar.
E quando aparece alguém com tamanha capacidade de reviravolta?
Tudo inunda

Tudo derrama
Tudo espalha e fica ali exposto e você paralisa porque está bem na sua cara o que sempre quis e você então não sabe como agir. Volta a contradição, volta a fúria, você se afoga em suas próprias águas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário