sábado, 10 de novembro de 2012

* Se *


Se eu pudesse voar, voaria pra dentro
procuraria entender a funcionalidade de cada momento
que é simplesmente a ilusória divisão psicológica
que a mente subentende existir

Se eu tivesse memória, lembraria os poréns
os porquês e como eu não fui mais além
mas diante de tal informação eu nada faria
pois se procurasse tanto mudar, nem mais eu eu seria

Se eu tivesse um poder, teria o de ler
os olhares profundos, leves, confusos
que a vida me fez encarar
a cada momento que eu pude vivenciar

Mas se eu pudesse escolher, escolheria sempre
mas às vezes o acaso, ou destino, não sei
tira-me a responsabilidade de ter que ser sempre eu
há uma esfera que rege o que o mundo não viu.




Nenhum comentário:

Postar um comentário