segunda-feira, 25 de abril de 2011

Registro de Um Dia (O Minuto Final)

Cheguei em casa até cansada. Porque alegria demais também acaba cansando a gente.
Tomei um café gostoso, que só a minha irmã sabe fazer daquele jeito... Quis ver o pôr-do-sol, mas as grades da janela me atrapalhavam.
Eu nunca entendi pra quê tanta grade. Na janela, no portão, na vida da gente.
Eu queria ser mais livre, fiquei pensando até dormir.
E dormi profundamente, daquele jeito mesmo: a mesma roupa, a mesma expressão facial, que era pra não perder nem um pouquinho do que tinha me restado de bem e de bom daquele dia... Até seu minuto final.