segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Amarelado Calendário Sentimental

Está vendo essas folhas amareladas? Essa cor não se apaga, meu bem. Estão grudadas nos dias representados por cada um desses números aqui nesse calendário. Vão passando os dias, os meses, o ano, o outro, mais um. E a cada vez que elas vão ficando ainda mais amarelas, tanto mais o nosso particular vai se entranhando nas minhas lembranças que, naturalmente, vão sendo levadas por essa ventania. Essa ventania que por mais forte que seja, meu calendário sentimental, não vai levar.
Você meu bem, que tem amizade íntima com o destino, que por um certo tempo me ajudou a desenhar o meu, que conseguiu arrancar do mais profundo de mim o que eu nunca havia doado para ninguém: minhas loucuras. Você, que soube me compreender, amar e querer, com tamanha intensidade, sem pedir que eu fizesse o mesmo. E você, que o conseguiu mesmo sem pedir, marcou com a sua Letra um pedaço importante de mim.
Ah, mistério! Meu bibelô, meu brinquedinho favorito! Você sempre me trazendo o inusitado, não é? Paixões repentinas, pessoas especiais que vem e são levadas logo em seguida pelo vento, aquele mesmo que não consegue levar meu calendário amarelado.
Seria preciso um vendaval? Uma tempestade? Tsunamis, furacões? Que tragédia resolverá?
Nenhuma! Nenhuma... Nenhuma.
As coisas que dissemos ficaram gravadas. As nossas ações, internalizadas na memória. O que sentimos não tem comparação, nem preço, nem dúvidas, mas existência também não tem mais. Nem mesmo as loucuras.
Há quem concorde comigo: há sempre quem ama mais, entrega-se mais, sofre mais. E há sempre quem deixa seu calendário voar dentre as confusões. Mas o meu não quer voar.
Como pode algo tão verdadeiro se perder no simples passar do tempo? Talvez seja porque ele não passa sozinho. Coisas vão acontecendo nesse sutil passar.
Seremos sempre (aqui dentro).
Eterno amor.
Mal resolvido.
Por onde for.
A nossa voz ecoa forte, amarelando o meu ultrapassado calendário sentimental.


E FIM.

3 comentários:

  1. Nostalgia que transforma angústia em um lágrima...
    gorda...
    quente...
    insistente!

    ResponderExcluir
  2. ôoo saudade que me deu de que eu nem devo sentir isso! =/

    Lindo lindo!

    " Paixões repentinas, pessoas especiais que vem e são levadas logo em seguida pelo vento"

    arrrancou meu telhado!
    ahahah

    =)

    sua linda!

    ResponderExcluir
  3. alice é a lus!
    auhahuha
    meu antigo blog sem nada! haha

    ResponderExcluir