quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Inverno Interno

Nesses dias de confusão,
estranho o silêncio do grito preso em mim.
Abomino cada ser estranho
que o respeito ousar faltar por mim.

Na bagagem,
levo espelhos e retratos mal-falados, que vivem fazendo de mim.
E nos caminhos por onde eu passo,
registro em passos o que está preso a mim.

Nesses dias frios, descompassados,
os pedaços dos laços estão pelo chão.
Observo a cada dia, a cada passo,
que as pessoas sempre se vão...

...e levam consigo um pouco das dores,
deixando aqui muitos sabores,
de amores quentes
que me aquecerão.

Esse inverno é intenso demais
para quem não representa um ás.
Quem sabe deixarei para trás
o que deve ficar nesse cais.

E nesse inverno interno,
eu sei que vai chegar,
um verão pleno e certo
que me aquecerá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário